Cotidiano

Recomendação: Se eu Pudesse Viver Minha Vida Novamente

Fonte: Google Imagens

A recomendação se trata de uma indicação literária que lhe fará degustar um pouco sobre a história e as lentes pelas quais o autor Rubem Alves percebe o mundo em que vive.

Já pensou sobre como seria sua vida se pudesse vivê-la novamente? O que você faria? Como a viveria? Repetiria tudo novamente? Faria tudo diferente? Tudo o quê? Diferente como?

O Psicanalista Rubem Alves escreveu a obra biográfica “Se eu pudesse viver minha vida novamente”. Nela, o autor começa contando a trajetória de sua infância, de quando era um garoto de Minas, que brincava na calçada e contemplava as coisas simples da vida. O autor fala das suas singelas, mas felizes experiências da infância, das sensações prazerosas de brincar na casa ampla dos avós. Gosta de pensar que escrever é uma forma de ser imortalizado.

“As estórias são flores que a imaginação faz crescer no lugar da dor. (…) Curar a dor, isso elas não podem fazer. Mas podem transfigurá-la. A imaginação é a artista que transforma o sofrimento em beleza. E a beleza torna a dor suportável. Por isso escrevo estórias: para realizar a alquimia de transformar dor em flor. Minhas estórias são as minhas poções mágicas… Não há contraindicações nem é preciso receitas…” (p. 155)

Na sequência, o autor explora de forma poética as vivências pelas quais passou até chegar ao ponto em que está hoje. Contudo, relata que é hoje a consequência de muitas coisas que deram errado em sua vida.

“Eu estou onde estou porque todos os meus planos deram errado”. Isso é absolutamente verdadeiro. As pontes que eu construíra para chegar aonde eu queria ruíam uma após a outra. Eu era então obrigado a procurar caminhos não pensados. (…) Sofri a dor da solidão e da rejeição. Mas foi esse espaço da solidão na minha alma que me fez pensar coisas que de outra forma eu não teria pensado.” (p.13)

Além de muito interessante, instigadora e com muito potencial de lhe fazer refletir, pode ser encontrada em PDF na internet neste link!

 

Um dia… pronto!… me acabo.

Pois seja o que tem de ser.

Morrer: que me importa?

O diabo é deixar de viver!

 

Mario Quintana

Leave a Reply

Theme by Anders Norén